terça-feira, 14 de julho de 2009

AUMENTA O SOM

Nem Nicola Tesla, nem Guglielmo Marconi, nem Padre Roberto Landell poderiam prever tantas transformações no rádio. Aquele antigo trambolho da casa da vovó ganhou várias formas, tamanhos e está em lugares antes inusitados como telefones, elevadores, ônibus, etc.Tal mídia tem alcance inimaginável e pode atingir públicos diversos. Para isso, basta saber utilizá-la.

Lembro que na faculdade era praticamente impossível não se apaixonar pela disciplina que nos colocava dentro de um estúdio para transmitir informações e pensamentos utilizando nossas vozes. A emoção, a criatividade, a comoção estava sempre presente para fazer o programa do intervalo ser atrativo. Garanto que dava certo!

Mas vem a decepção. Cercado pela idéia de que qualquer um pode fazer (faço link com a não obrigatoriedade de diploma para jornalista), o rádio fica no topo da lista de mídia desvalorizada. Ao nos deparar com o mercado, perdemos o desejo de seguir carreira nesse veículo. Salários baixos, pouco reconhecimento e investimento fazem com que os profissionais migrem para outras áreas, deixando esse centenário meio de comunicação a mercê do amadorismo.

Até mesmo as rádios on-line não fogem da regra (como poderiam?). Das cinco mil estações brasileiras operando pela internet, apenas 5% conseguem superar a falta de preparo*. Não apresentam vantagens nem boas idéias. E não estou falando apenas de músicas. Rádio é muito mais que isso: é informação, entretenimento, educação, dramatização e opinião. E apresenta uma grande vantagem em relação aos outros meios, pois ele não exige do público atenção exclusiva. Você dirige ouvido rádio, você escreve ouvindo rádio, você lava roupa e procura piolho na cabeça do seu filho ouvindo rádio.

Quero dizer que o rádio é ubíquo e que não entendo como uma mídia que se faz tão importante pela sua onipresença não recebe o valor merecido. É preciso abrir os olhos das empresas e fazer com elas percebam que nossos ouvidos já estão abertos. Não podemos parar nossas atividades, mas com o rádio podemos escutá-los sem ter que parar. Tesla, Marconi e Landell ficariam muito orgulhosos se a evolução se estabelecesse.

*Fonte: Revista Rolling Stone, #33, jun2009. Matéria: “Fala... Que Ninguém Escuta”, por Filipe Albuquerque.


Mais na Linha
**Escuto e é bom:
www.esculacho.com
Jornalismo com humor na rádio.
**Portal de Rádios do Brasil:
http://www.tudoradio.com/


H.E

9 comentários:

  1. Meu sonho como jornalista era trabalhar em rádio mesmo. Mas, acabei me decepcionando justamente por ser uma carreira pouco valorizada. Também acredito que o rádio é o veículo de comunicação mais próximo da população, tanto que os políticos possuem várias rádios AM para auto promoção.

    Ótima lembrança. =)

    Só corrigindo, o link da tudo rádio é só .com, sem o br, o que por coincidência é de um colega meu da faculdade. Mundo pequeno hehehe

    ResponderExcluir
  2. fiquei sabendo ha pouco tempo dessa notícia, da não obrigatoriedade de um diploma de jornalismo para trabalhar nessa área. É mesmo um absurdo!Como uma pessoa sem preparo pode concorrer igualmente com alguem que ralou, que fez uma faculdade?
    Onde esse mundo vai parar???

    ResponderExcluir
  3. Eu sou formado em Rádio e TV pela Faap em São Paulo. Realmente, me corta o coração saber que este veículo de comunicação tão parceiro, tão companheiro de tanta gente é o "primo pobre" dos veículos de comunicação.
    Falta de investimento, falta de crédito dos anunciantes. E logo ele que é de tamanha credibilidade.
    Não importa se ele transmita informações, músicas de gosto duvidoso (há quem goste). Ele é o mais presente e mais próximo de todos.
    no banho, no carro, no motel, no tocador de MP3, na rádio corporativa do shopping.
    Tem gente que pensa que rádio é um brinquedinho.
    Infelizmente não é.

    ResponderExcluir
  4. Belo post e uma bela puxada de orelha nos empresarios com pouca visão!!

    Abç

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. a evolução da tecnologia no decorrer dos tempos faz com que reflitamos sobre o nosso papel em meio a essas transformações...

    ResponderExcluir
  7. Por ser um fanático por futebol, sempre tive uma vontade ferrenha de cursar Rádio e TV, aliás, ainda pretendo (um dia). Apesar de todo o proguinostico tenebroso que o futuro insiste em revelar para a profissão, fazer o que se gosta, com paixão, ainda supera qualquer coisa!
    Nem tudo é (nem pode ser!)retorno financeiro nessa vida...
    .
    http://bloggalemdoqueseve.blogspot.com
    .

    ResponderExcluir
  8. Viva o velho, porém atualíssimo rádio...Eu o escuto sempre, todas as manhãs. A programação quando não envolve política(algumas rádios são de políticos), envolve religião ( a diocese tem uma rádio).

    http://palavrasdevaneios.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Na linha...